random songs

\BANDAS\

Tributo ao The Fall

banner_tributo_fall_facebook

Não há muito que dizer aqui. Apenas que todos nós escutamos muito The Fall. A banda lançou dezenas de álbuns, todos muito inquietos. Sempre foram avessos ao establishment e fizeram músicas falando sobre isso.

Infelizmente, o vocalista da banda, Mark E. Smith, faleceu em janeiro de 2018. Daí, algumas bandas e parceiros do midsummer madness pilharam numa homenagem à banda. Pedro Bonifrate, ex Supercordas e solo com seu sobrenome, foi o que buscou a música mais antiga, do 1º álbum de estúdio da banda “Dragnet”. Ele escolheu a faixa de abertura, que fala sobre um salão de dança para videntes.

A banda gaúcha Loomer escolheu uma música menos famosa do álbum mais conhecido do Fall no Brasil, “Bend Sinister”. “Shoulder Pads #2″ deveria vir após “Shoulder Pads #1″, que seria gravada por Fábio Bianchini, d’Os Gambitos. Mas Bianchini furou. Então ficamos só com a versão da 2ª parte. Boa o suficiente.

A banda argentina Estación Experimental adaptou a letra de “And Therein” para o espanhol e assim ficou a versão deles para uma canção do 12º álbum do Fall, lançado em 1990.

Outro ex-Supercordas, Sandro Rodrigues, que assina suas composições musicais solo como Digital Ameríndio, escolheu um clássico do EP “Slates” de 1981. “Leave the Capitol” ficou famosa por ser uma música onde a banda de Manchester fala sobre seu horror à Londres e à tudo que é mainstream.

Outro que adaptou as canções do Fall foi Cassiano Fagundes, o Cassim, junto com seus parceiros do projeto DON. Eles pegaram “Wrong Place, Right Time” e misturaram com “Frenz Experiment” para criar a música “Wrong Frenz”.

E para fechar o pequeno tributo, Marcos Araújo, que também já havia participado do tributo ao Second Come com a sua outra banda, Soft & Mirabels, agora entrou com os amigos do OverEnd homenageando a homenagem que o Fall havia feito ao Kinks, ao regravar “Victoria”. Essa versão do The Fall foi o cartão de visitas para muitos que conheceram a banda no Brasil em 1990, quando a gravadora Stiletto lançou “Bend Sinister” por aqui.

capa_tributo-fall-web

Ficou assim:

Bonifrate – “Psykick Dancehall”
originalmente gravado no álbum “Dragnet” (Step Forward Records), 1979
Escrita por Mark E Smith, Marc Riley, Craig Scanlon
Ficha Técnica versão Bonifrate:
Gravado, arranjado e mixado em casa por Bonifrate.
Vozes de apoio: Thalita da Silva.
Masterizado por Valentino.
Mais info aqui

Loomer – “Shoulder Pads #2″
originalmente gravado para o álbum “Bend Sinister” (Beggars Banquet), 1986
Escrita por Mark E Smith, Brix Smith
Essa versão por Loomer, gravado, mixado e masterizado por Richard La Rosa e Stefano Fell.

Estación Experimental – “And Therein” com letras novas em espanhol!
originalmente gravado para o álbum “Extricate, Cog Sinister” (Fontana), 1990
Escrita por Mark E Smith, Martin Bramah
Essa versão por Estación Experimental: Jorge Piñero (voz, adaptação da letra); Marcelo Piñero (bateria), Cesar Wayar  (guitarra); José Villafañe (baixo & produção); Mateo Carabajal (guitarra, Tucuduino Synth)

Digital Ameríndio – “Leave the Capitol”
originalmente gravado para o álbum “Slates” album (Rough Trade), 1981
Escrita por Mark E Smith, Steve Hanley, Marc Riley, Craig Scanlon
Produção, arranjo e execução instrumental (guitarras, baixo, vozes e bateria programada) por Sandro Eduardo Rodrigues
Mais info sobre Digital Ameríndio aqui

DON – “Wrong Frenz”
essa versão é uma junção de duas músicas:
“Wrong Place, Right Time” originalmente gravado para o álbum “I Am Kurious Oranj” album (Beggars Banquet), 1988
Escrita por Mark E Smith
“Frenz” originalmente gravado para o álbum “Frenz Experiment” album (Beggars Banquet), 1988
Essa versão por DON

OverEnd – “Victoria”
“Victoria” foi originalmente lançada em 1969 pelo The Kinks e o The Fall fez uma versão em 1988 no álbum “The Frenz Experiment” album (Beggars Banquet), 1988.
Essa versão do OverEnd por Marcos Araújo (vocais); Edalmo Santos (guitarras); Gabriel Moreira (baixo); Afonso Lopez (bateria)
Gravado, mixado e masterizado no Estúdio La Cueva em 17/02/2018
Produzido e mixado por Seu Cris.

O título do tributo é um trocadilho vagabundo com o álbum “Perverted by Language”. A capa é uma colagem de Augusto Malbouisson – saiba mais.

Este tributo está sendo lançado apenas no formato digital e não há exploração comercial do mesmo.