random songs

\BANDAS\

Strawberry Licor

Strawberry-Promo-(5)_web

foto por Matheus Arruda

Strawberry Licor é de Itapetininga, interior de SP e se formou em julho de 2014, no estúdio Napô Place, onde Luciano Ayub (Tio Lu – guitarra e voz) “convocou” integrantes de outras bandas que ensaiavam por lá, depois de longas observações. Agindo como um técnico que convoca sua seleção, Raoni Rocha (baixo) e Gabriel Wiltemburg (guitarra e voz) passaram a integrar o seleto time de excluídos sinceros do rolê alternativo itapetiningano. Após a passagem de dois bateristas, Yuri Naoto, de Iperó (SP), assumiu a vaga, fechando o entrosamento perfeito de canções pegasojas e barulhentas.

Todos se conhecem de outras bandas da região de Sorocaba: Luciano tocou com o Pencil Sharpners e na lendária Headache (do cast da Slag Records); Luciano Ayub tocou na Tempos de Morte; Yuri Naoto na Mar de Lobos; Gabriel Wiltemburg na parceria Justine Never Knew the Rules e Fones.

Em 2016, o Strawberry Licor lançou “Pupsy”, um EP com 6 músicas, resultado de 2 anos entre criação e gravação. “Foi um processo meio demorado por conta da saída dos bateristas e de ter sido produzido por nós mesmos. Gravamos em lugares diferentes como Estúdio da FATEC de Tatuí, Napô Place, que é o estúdio de ensaio e gravações do Luciano; e no Ekord em São Paulo“, lembra Gabriel.

Depois disso, dois singles: “Megastore” em 2017 e “Aim” em 2018. O primeiro saiu num split com a banda Mar de Lobos e existe no mundo físico em raríssimos CDs feitos artesanalmente.

Já “Aim” é o resultado de uma tarde solitária de Gabriel: “Um dos bateristas tinha acabado de sair, estávamos sem tocar, sem ensaiar. Um dia, sozinho em casa depois de um episódio triste de um relacionamente falido, escrevi e gravei Aim, do jeito que saiu, saiu. Mostrei para os caras no dia seguinte e resolvemos lançar pra dar uma movimentada“, explica Gabriel


editado por Paulinho, primeiro baterista, com imagens gravadas por ele


produzido, filmado e editado por Raoni

O Strawberry Licor fez alguns shows na Região, como na abertura do festival Circadélica de 2018, no Asteroid bar em Sorocaba, e dividindo palco com Terno Rei, Wry, Biggs, Victor Brauer, entre outros.

Depois de anos moldando sua sonoridade inspirada em Pavement, Second Come e Sonic Youth, o quarteto chega ao seu álbum de estreia “Johnny“. O título do disco é dedicado ao pai de Luciano Ayub, que faleceu em 2017. A capa traz a fotos do time Ÿellow, com Johnny agachado, no canto esquerdo da foto (o mais alto, com cabelo que lembra Johnny Ramone).

No disco, a Strawberry Licor apresenta um trabalho ainda mais intimista, cheio de flertes com noise-rock, um ‘cadinho de math-rock, vozes conflitantes e completamente inflado em sentimentos de nostalgia e perdas inevitáveis, sem soar massante e deprimente. Pelo contrário, “Johnny” é um panorama de uma infância cheia de desejos e expectativas ante a entediante e desesperançosa, porém libertadora, chegada vida adulta.

De Itapê pro resto do mundo, a Straberry Licor é responsável por músicas impulsivas e sem grandes pretensões, com barulhinhos bonitos (ou extremamente irritantes dependendo do seu humor), letras dolorosamente pessoais, sorrisos bobões e lágrimas tímidas de seus ouvintes.

“I Feel Like a Kid” é o primeiro single deste álbum:

“Caballero” é o segundo clipe do álbum “Johnny”

“Johnny” está sendo lançado numa parceria entre a banda e o midsummer madness, em tiragem super limitada em CD (compre aqui) e no digital (compre ou baixe em alta resolução aqui). A masterização do disco é de Eduardo Ramos. A arte da capa é da própria banda.

Hits Perdidos falou com a banda sobre o videoclipe acima, leia na íntegra.