random songs

\ZINE - julho de 2018\

Primeiro EP do Iorigun relançado

iorigun_banda_pb_web
Não é novidade porque “Empty Houses // Filled Cities” foi lançado em 2017 pela própria banda. Mas a gente gostou tanto das 4 músicas que pedimos para o Iorigun deixar a gente promover o EP também.

Se você não conhece, o Iorigun é de Feira de Santana, formado por Iuri Moldes (v/g), Moysés Martins (baixo/v), Fred Lima (g) e Leonel Oliveira (bateria). Ano passado eles chamaram atenção de um monte de gente, foram escolhidos como “promessa para 2018″ pelo El Cabong, uma das melhores banda do ano pelo blog Urge e foram votados como a 8ª banda baiana mas interessante, numa votação aberta ao público.

É claro que a gente leva a opinião dos amiguinhos em consideração mas isso nunca foi parâmetro para o midsummer madness. Fechamos uma parceria com o Iorigun porque as músicas são boas e muito bem gravadas, tudo feito por eles mesmos. “Nós mesmos produzimos tanto na parte técnica de gravação e áudio, quanto na parte musical. As demos geralmente são feitas por mim com um equipamento mais simples e de forma mais livre. Em seguida, quando produzimos a versão final das músicas, quem comanda as gravações no Home Estúdio é o Moysés, que se encarrega da mixagem também. Isso nos dá liberdade de produzir bastante coisa”, explica Iuri.

E tem bastante coisa a caminho: o próximo EP, que está em produção, já vai ser um lançamento conjunto da banda com o midsummer madness. Só que para comemorar  um ano de lançamento do 1º single deles dia 29 de julho, resolvemos oficializar a parceria relançando o primeiro EP.

Se você gosta do Lautmusik, do Cure, do Killing Joke, vai gostar do Iorigun.
Escute na página deles aqui
ou no nosso bandcamp, aqui.

 

Postado 28/07/2018 às 6:40

Iorigun

Iori-2

Iorigun nasceu em Feira de Santana (BA) das ideias de Iuri Moldes (voz / guitarras) e Moysés Martins (baixo / voz). Aliaram-se a eles Leonel Oliveira (bateria) e Fred Lima (guitarra / vocal) para gravação do primeiro EP “Empty Houses // Filled Cities” que saiu no 2º semestre de 2017 de maneira independente.

As músicas lançadas mixam batidas rápidas e riffs soturnos de guitarra com influências diretas do pós-punk dos anos 80, revistos por meninos muito novos para terem vivido a época. Mas os anos 2000 e 2010 trouxeram Interpol, Iceage, Yuck, A Place to Bury Strangers e os ecos chegaram à segunda maior cidade da Bahia, um recanto pouco comum para este tipo de som.

Em seus primeiros anos, a banda resolveu percorrer os poucos espaços musicais da região, apostando na performance ao vivo como principal instrumento de interação com o público.

A partir de agosto de 2018, a banda virou parceira do midsummer madness e o primeiro EP passou a ser distribuído pelos canais do selo.

Um novo EP está sendo preparado para lançamento em novembro de 2018 e o primeiro single lançado é da música “Fight to Forget” com lado B “Wild Dive”.

 

O que vem sendo falado:
“… a canção introspectiva, gelada e com guitarras suaves irá agradar a fãs de Beach Fossils, Yuck, FOALS e até mesmo Placebo”.
Hits Perdidoslink

IORIGUN is a Brazilian post-punk quartet inspired by the likes of The Cure, Foals and Diiv. The band’s self-produced, four-track debut EP — Empty . Houses / / Filled . Cities — was released in November. Our Song of the Day, “Crash Into The Sun,” is ‘Empty . Houses / / Filled . Cities’ opening tack.
Something Good Musiclink

“Iorigun impressiona nessa faixa pela construção do instrumental, que vai ganhando camadas, aumentando a intensidade do anseio pela liberdade, pela entrega ao que a cidade tem a oferecer para saciar a fome de viver que conduz o trabalho.”
Timbrelink

“Brazilian outfit channel the frantic-pace of Foals on this energetic indie-rock gem.”
Mystic Sonslink

Postado 27/07/2018 às 17:50

Valv lança single novo depois de 14 anos

Valv---2017---(Preto-e-Branco)-©Pablo-Bernardo-(8)web16x9

Quando surgiu em janeiro de 2000, o Valv era uma banda rodada.

Luciano, Alessandro, Daniel e Alexandre tinham história em outras bandas de Belo Horizonte e o Valv já subia aos palcos como uma veterana. Em 2001, o quarteto lançou seu primeiro EP, “Ammonite“,  cuja capa original trazia uma foto das Torres Gêmeas do World Trade Center. Em 11 de setembro daquele ano, as torres ruíram.

O Valv continuou.

Em poucos anos, o Valv tocaria em festivais importantes de São Paulo, Rio de Janeiro, Goiânia,  abriria shows do Mogwai no Brasil e excursionaria pelos EUA, passando inclusive pelo South by Southwest em 2001, quando pouquíssimas bandas tinham feito tal peregrinação. O documentário “Barulho na Rua 6” conta essa saga.

Em 2004 gravaram seu 1º (e até hoje único) álbum, “The Sense of Movement“. Com 14 faixas, participação especial de Fernanda Takai na faixa título, a banda trazia na bagagem elogios entusiasmados, principalmente sobre a força de suas apresentações ao vivo. Só que a maré mudou: seus integrantes assumiram responsabilidades da vida adulta, alguns mudaram de cidade.

A banda se distanciou.

Entre 2007 e 2013, Alessandro e Alexandre montaram o Yukon. O Valv ensaiava esporadicamente e o baixista Daniel deixou a banda. A dificuldade de integrar as agendas e os interesses fez com que o Valv mudasse de formações algumas vezes durante este período, sem oficialmente decretar seu fim mas também sem produzir novidades.

No final de 2014, eles voltaram “pra valer” com Felipe Ghiroto (da banda Heffer) no baixo. Fizeram alguns shows, principalmente em Belo Horizonte. Em 2016, ainda na marcha lenta, foram entrevistados para o documentário “Guitar Days” e na sequência receberam o convite para incluir uma música inédita na coletânea desse mesmo filme. Gravaram duas músicas. Só que o documentário e a coletânea atrasaram.

Dispostos a divulgar as duas músicas novas, resolveram gravar mais três e montar um EP. “Nautilidae” será apenas o 3º lançamento oficial de estúdio do Valv em quase 18 anos de carreira. Mas o que interessa é que eles estão de volta, com dois integrantes originais, os guitarristas Alessandro Travassos e Luciano Cota, além dos novos integrantes, Bruno Martinho (também baixista do Churrus) e Filipe Monteiro (baterista, ex integrante do Quase Coadjuvante e ex-vocalista da banda Rallye). “Os novos integrantes são amigos de longa data, continuamos sendo uma banda com boa experiência de palco, relata Cota, “e o bom é que eles trazem novas influências e referências, ajudam a fazer com que a banda evolua naturalmente“.

O EP  foi gravado e mixado em diferentes estúdios ao longo de 2016, 2017 e 2018. A mixagem ficou por conta de André Cabelo (Estúdio Engenho) e a produção é toda do Valv com Leonardo Marques e André Cabelo.

O 1º single do novo EP se chama “Driving in a Moonless Sky“, gravado em 2016. O 2º EP, “New Ground”, sai dia 20 de julho. O EP com as 5 músicas será lançado somente em formato digital no dia 07 de agosto.

Os singles e o EP são um lançamento conjunto do Valv, midsummer madness e o selo canadense Cuchabata

(foto de divulgação por Pablo Bernardo)

Postado 05/07/2018 às 9:38