random songs

\ZINE - março de 2017\

Tom Gangue lança clipe de Baladinha

Imagem de Amostra do You Tube

Nós aqui do midsummer madness ficamos conhecendo a Tom Gangue em 2014 pelo excelente clipe da música “Sempre Espero”. Quase 3 anos e um EP novo depois, o quarteto de Queimados finalmente lança um novo clipe. Idealizado, produzido e dirigido por Kathleen Ferreira, o videoclipe de “Baladinha” foi gravado em Queimados, Nova Iguaçu e no estacionamento do shopping Nova América no Rio de Janeiro.

Kathleen conheçeu a Tom Gangue num festival que ela mesma produziu com uns amigos, em Queimados, o FARRA. “Conheci a banda neste festival, que era para arrecadar grana para a APAE de Queimados. Dei a ideia e depois foram 3 dias de gravação com ajuda da Pamella Ohnitram na câmera, da Nathália Cabral na produção, um motorista, uma figurinista, a Jéssica Costa, e os atores Rafael Mota, Joana Ribeiro e Fabrícia Sterce“. O clipe foi trabalho de conclusão de curso Publicidade e Propaganda da Kathleen. Daniel (baterista da Tom Gangue) também se lembra: “A Kathleen estava pensando em fazer um clipe da banda para seu TCC, aí entrou em contato com a gente para tentarmos ajudá-la nessa tarefa. Na verdade, foi ela que nos ajudou, porque se dependesse de nós, esse clipe levaria bem mais tempo pra ser feito“.

“Baladinha” foi escolha dela porque a música é a mais ouvida do 2º EP, “Grande Esperança”, lançado em janeiro de 2016. A letra fala de desencontros e agendas apertadas, e em cima disso Kathleen criou o roteiro. A banda aparece rapidamente nas cenas da balada no meio do videoclipe e Fábio ajudou na produção do parque.

Ouça “Grande Esperança” do Tom Gangue
Ouça, baixe e/ou compre “Grande Esperança” do Tom Gangue no bandcamp
Ouça “Grande Esperança” do Tom Gangue no Spotify
Ouça “Grande Esperança” do Tom Gangue no Deezer

Postado 22/03/2017 às 11:40

Spotlight on Devilish Dear

devilish-dear-web

“After waves and waves of rather good but trite nu gaze bands, something this fresh is rather remarkable. Kudos Devilish Dear.”
Overblown

Braulio Almeida (glass-wearing guy on the right in the picture) started writing songs 20 years ago, when he was just a teenager aged 16. Nowadays he’s works with 2D and 3D animation for advertising in TV and short films. He also runs a sound design studio where he crafts soundtracks for games, TV and ads.

He met Rômulo Collopy (bass player) during his studies at Villa-Lobos, a music school in Rio de Janeiro, and they both met Shelly Modesto (vocals) in old social network Orkut. “Yeah, old school. This was around 2007″, remembers Braulio. The album “These Sunny Days” was shaped during almost 10 years: “I listened to all our archived ideas and blended the album using all that was worth. Cos’, if you don’t, you end up with all those beautiful useless riffs, this is bad karma”.

“These Sunny Days” was originally released in october 2015 with 8 tracks and a bonus. Shoegaze guitars, lots of post production effects and assertive electronic beats scattered here and there will remind you of my bloody Valentine, Medicine and Cocteau Twins, especially when Shelly sings.

Despite all the sophistication of the songs, Devilish Dear never played a gig. “These songs are my hobby, my contribution to people that like the same kind of music that I do“, points Braulio. “A email from someone saying they liked is good enough, puts no money in my pocket. But this is about something else“.

In february 2017, midsummer madness teamed up with Devilish Dear to promote “These Sunny Days”. And with very little effort, the band started receiving very enthusiastic feedback:
- shoegazer and indie-rock oriented YouTube Channel Underrated republished their songs to immediate mouth-to-mouth explosion of views;

- bandcamp curators liked that Devilish Dear puts some brazilian accent to shoeagazer
devilish_dear_bandcamp

- UK’s Overblown music blog said “It’s kind of like if a Madchester band had been led by Kevin Shields. Dancey, grooving rhythms are laid down behind the swirling, reverb drenched guitars, and ghostly vocals“.

- Dutch blog Luminous Dash wrote: “Altogether the songs with the vocals of singer Modesto results in a sound that sometimes is surprisingly close to Curve“.

After all that feedback, the band is currently working on new material to come up late this year. This hobby will either make Devilish Dear famous or more people happy. Both are ok for them.

Listen, download and/or buy Devilish Dear’s “These Sunny Days” at bandcamp
Listen to Devilish Dear’s “These Sunny Days” at Spotify
Listen to Devilish Dear’s “These Sunny Days” at Deezer
Listen to Devilish Dear’s “These Sunny Days” at Apple Music

Braulio, Rômulo and Shelly organized a playlist of their favorites, have a listen

Postado 19/03/2017 às 22:06

Devilish Dear entrega o jogo em playlist

Depois de relançar seu 1º álbum via midsummer madness, o Devilish Dear conseguiu uma excelente repercussão no exterior, com indicação da curadoria do bandcamp e elogios de blogs estrangeiros.

Pedimos à Braulio, Rômulo e Shelly para fazer uma playlist com suas influências e eles entregaram o jogo. Com 25 músicas, os queridinhos do Devilish Dear incluem a velha-guarda com Ride, my bloody Valentine, Swervedriver, Swirlies, Sonic Youth, Mogwai, Drop Nineteens, Ringo Deathstar mas também novidades como Cheatahs, Sleepy Sun, Airiel, e os brasileiros Tagore e brincando de deus.

O trio está preparando novas músicas para um lançamento ainda este ano.

Siga o perfil do midsummer madness no Spotify e no Deezer para ouvir outras playlists escolhidas por bandas do selo.

Ouça Devilish Dear aqui no mmrecords
Ouça, baixe e/ou compre no bandcamp
Ouça Devilish Dear no Spotify
Ouça Devilish Dear no Deezer
Devilish Dear na Apple Music

Postado

Mais uma vez: single do Churrus

capa_OnceAgain_web

“Once Again” é o segundo single da Churrus lançado pelo midsummer madness antes do novo álbum, o quarto da carreira da banda, previsto para meados de 2017.

Neste single, a Churrus se rende ao bairrismo, impregnando sua música com a história de Minas Gerais, do ciclo do ouro e de seus laços culturais com os países europeus; temática semelhante a do primeiro single, “Kingdom of Lords”.  Os dois singles lançados até o momento são pequenas amostras do que vem pela frente: um álbum conceitual, que tentará unir histórias de europeus e brasileiros numa identidade comum. Musicalmente, a nova faixa inédita traz as principais características da Churrus: melodia caprichada embalada por riffs de guitarra e vocais dobrados.

Once Again tem um pouquinho de shoegaze, britpop e de Thin Lizzy, de onde veio a inspiração para o harmônico solo elaborado com duetos de guitarras“, explica Túlio Panzera, vocalista e guitarrista. A música, uma composição de Matheus Lopes, foi gravada em diferentes estúdios de Belo Horizonte e São João del Rei, sendo mixada e masterizada pelo baterista do Planet Hemp, Pedro Garcia.

Como faixa bônus, a versão que a Churrus fez para “Can’t Feel My Soul” do Teenage Fanclub, originalmente lançado no tributo “TBTCI Loves TFC“, organizado pelo The Blog That Celebrates Itself.

A imagem da capa é um lugar familiar para a banda, a estação ferroviária de Tiradentes, cidade irmã de São João del Rei. A foto foi tirada por Cláudio Lopes, pai do guitarrista Matheus. O mineiro e publicitário Paulo Filipe Souza  foi mais uma vez o responsável pela produção gráfica da banda.

As festas de lançamento acontecem no dia 04 de março, na Audio Rebel no Rio de Janeiro e no dia 18 de março no Bei Pub em São João del Rei. “Once Again” está sendo lançada apenas no formado digital, na página da banda aqui no mmrecords (em mp3 de 192kbps), no bandcamp do midsummer madness (wave, flac, aiff e mp3 de 320 kbps, pague quanto quiser) e também está sendo distribuída via streaming (confira o perfil do mmrecords no Spotify e no Deezer).

Postado 03/03/2017 às 10:03